Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

radiosaovivo.net

Festival Luz Del Fuego ganha edição online e ressalta importância feminina na cena cultural - ® SELIGANAMUSICA ©™

Fale conosco via Whatsapp: +55 75 988637010

No comando: CONEXÃO JOVEM

Das 08:00 às 09:00

No comando: Daniel Luiz – Sintonia Total

Das 09:00 às 10:00

Festival Luz Del Fuego ganha edição online e ressalta importância feminina na cena cultural

NOSSOS APOIADORES CULTURAIS

radiosaovivo.netradiosaovivo.netradiosaovivo.net radiosaovivo.net

SEJA UM APOIADOR CULTURAL!

CONHEÇA!

SELOS

Publicidade

Publicidade

radiosaovivo.net

Além de apresentações musicais, o Festival vai debater a presença de mulheres no ramo musical durante a pandemia

São Paulo, junho de 2021 – No dia 6 de junho, acontece a nova edição do Festival Luz Del Fuego, um evento fora do eixo Rio-São Paulo, protagonizado por produção feminina, e que desde a primeira ação cultural da aceleradora musical Luz Del Fuego, tem como premissa potencializar mulheres por meio de outras mulheres. A nova edição do Festival, que desta vez acontece online, vai debater temáticas relacionadas à presença de mulheres na produção executiva e processos criativos em meio a pandemia. Além de conversas ao vivo, a nova edição conta com apresentações de Morenna, Afronta Mc, Gabriela Brown, Indy Naíse, Jasper e Gana, Julia Mestre, Luiza Boê, Transe, Luiza Dutra e Bella Mattar. A exibição da nova edição vai acontecer no Youtube do Festival das 14h às 19h.

Luz Del Fuego é uma aceleradora musical, idealizada pela cantora Gabriela Brown e produzida em parceria com Louisy Carvalho, com o objetivo de ir na contramão da disparidade de gênero dentro da cena musical. O evento retoma suas atividades públicas, principalmente pelas idealizadoras terem percebido que durante a pandemia, a disparidade entre homens e mulheres no ramo ficou ainda mais gritante.

 

“É um projeto com uma premissa bem afetuosa, bem afetiva, de presença de mulheres com outras mulheres do ramo musical. Então essa retomada se fez mais do que necessária neste período de pandemia, porque a única saída para profissionais da música é fazer live, e com isso, essa disparidade de gênero se tornou mais gritante ainda porque a gente prioriza mulheres na contratação do corpo técnico, ou pessoas LGBTQI+, mas ainda existem campos que a gente não consegue essa profissional”, conta Louisy.

 

A edição de 2021 do Festival, vai contar com algumas apresentações inéditas de artistas, como a cantora Bella Mattar que vai apresentar seu EP, e também o primeiro single do álbum que está lançando. Assim como Morenna, que também vai fazer uma apresentação exclusiva, o single “Açaí” vai ganhar a sua primeira versão live show. Já o showcase de Julia Mestre, vai entrar na programação de dois anos do álbum da artista.

 

“A curadoria da mini-edição online foi realizada com base em todas as bandeiras que o festival sempre pregou: talento, representatividade e fogo. Contudo, desta vez a seleção contou com três artistas nacionais incríveis. E com o objetivo de realizar um intercâmbio cultural, dentro da cena independente, selecionamos performers com foco no som autoral libertador que cativasse o público do Luz. Já dentro do estado do Espírito Santo, tivemos o prazer de selecionar algumas artistas que ainda não tinham performado no nosso palco”, relata Gabriela Brown.

 

Em um tentativa de ajudar a sanar a disparidade de gênero, a edição embrionária do projeto ofereceu a mulheres formação profissional, difusão e formação de público em uma Imersão de Processos Musicais e Festival realizados entre setembro e novembro de 2019 em Vitória (ES) viabilizado pelo Edital de Projetos Culturais do Setorial de Música da Secult ES. Com uma equipe 100% formada por mulheres, o encerramento da imersão rendeu um webdocumentário e a produção de um single coletivo. O projeto também promoveu um festival de artes em novembro do mesmo ano, que unia música à produções artísticas das mais diversas áreas como artes plásticas, fotografia, tatuagem e moda. Com apresentação de atrações capixabas, o evento foi um marco na potencialização e emancipação da mulher capixaba no ramo musical.

 

Com apoio institucional do Estúdio Bravo, o Luz Del Fuego online é realizado via Lei Aldir Blanc, por meio da Secult ES e da Secretaria Especial da Cultura via Ministério do Turismo por meio do Governo Federal.

 

SERVIÇO

Festival Luz Del Fuego – Apresentações musicais e debates ao vivo envolvendo temáticas como a presença de mulheres na cena cultural em meio a pandemia

Data: 6 de junho

Horário: 14h às 19h

Assista em: Youtube do Festival Luz Del Fuego

Mais informações: https://linktr.ee/somosluzdelfuego

 

LINE-UP

Morenna
Transe
Luiza Boê
Indy Naise
Bella Mattar
Afronta
Jasper e Gana
Luiza Dutra
Julia Mestre

SOBRE O FESTIVAL

Luz Del Fuego é uma aceleradora musical com a premissa de potencializar mulheres por meio de outras mulheres. Idealizado pela cantora Gabriela Brown e produzido pela mesma em parceria com Louisy Carvalho, a edição embrionária contou com etapas de formação profissional, difusão e formação de público em uma Imersão de Processos Musicais e Festival realizados entre setembro e novembro de 2019 em Vitória (ES) viabilizado pelo Edital de Projetos Culturais do Setorial de Música da Secult ES.

 

SOBRE LOUISY CARVALHO

Jornalista por formação, Louisy Carvalho é produtora cultural, apaixonada por novos fazeres jornalísticos, marketing de conteúdo e fotografia. É produtora executiva da cantora Gabriela Brown e do Luz Del Fuego Festival. No último ano, fez parte da produção projetos como o Rap Solidário (Das Pretas), Encontro das Pretas 2020 e a websérie “Aves da Reserva”(Cine.Ema).

 

SOBRE GABRIELA BROWN

Gabriela Brown é uma cantora e compositora da nova mpb. Articuladora cultural, ativista, poetisa e viciada  em criação, em 2019 lançou seu álbum de estreia ‘Zeugma’ que clama a liberdade, os (des)afetos, o poder e o exílio. No ano passado realizou shows como o do Carnaval de Vitória, com um público de cerca de 60 mil pessoas, e colaborou com feats nas faixas “Nó” de Dan Abranches e “Beija-fruta” de Gavi. A artista já passou por grandes palcos capixabas como o Baile Voador, ao lado de MC Pocahontas e Atoxxa, a abertura do show da Pabllo Vittar, Teatro do Sesi, Orquestra Ammor e duas edições do Viradão Cultural de Vitória.

 

SOBRE MORENNA

Natural de Vila Velha, Espírito Santo, Morenna é uma cantora  genuinamente pop. A artista foi revelada no grupo Solveris, que  ganhou a alcunha de “Black Eyed Peas capixaba”, abriu o show do  cantor Rubel para um Circo Voador lotado e ganhou o prêmio de  revelação de 2018 pelo site Genius Brasil. Em 2019, focou em sua  carreira solo, lançando o EP “Blá Blá Blá”, que foi produzido pelo selo  Novo Egito, do grupo 3030. Em 2020, assinou contrato com a Warner  Music Brasil, fazendo parte do casting permanente da companhia. Hoje  ela conta com 2 EPs e 7 videoclipes, e muitos projetos para 2021,  começando pela gravação do videoclipe ‘Açaí’.

 

SOBRE INDY NAISE

Indy Naíse é artista, empresária e gestora de sua carreira. Lançou em 2018 seu disco É Questão de Cor, onde aborda questões emergenciais para o convívio em nossa sociedade; em 2019 fundou sua produtora Filha do Trovão e ultimamente tem se mostrado uma das promessas do R&B no Brasil.

 

SOBRE AFRONTA MC

Afronta Mc é uma travesti capixaba que trabalha como rapper. Iniciou sua carreira nas batalhas de rima de Vila Velha e desde então não parou de utilizar das rimas para levar uma mensagem de respeito e, como já indica o nome, afrontamento. Ao lado dela está a drag queen Ursula Pussynails que é sua DJ e, juntas, elas representam diferentes elementos do Hip Hop.

 

SOBRE TRANSE

A Transe é um duo formado por Francesca Pera e Fernando Zorzal de pop-experimental que flerta com a música brasileira dos anos 70. Seu primeiro álbum Hora Dourada (2019), bem recebido pela crítica indie alternativa, fala das paixões vividas no parto e puerpério e tem co-produção musical de Gabriela Deptulski (MMGL). Em 2020 lançou o EP Bad Vibes de Casal e tocou nos showcases oficiais da SIM São Paulo.

 

SOBRE JULIA MESTRE

É uma cantora e compositora carioca que tem se destacado na atual produção musical contemporânea. Com um timbre de voz rouco e forte, tem sido considerada pela imprensa especializada um dos nomes mais expoentes e promissores da sua geração. Em seu histórico artístico, a cantora coleciona parcerias com Caetano Veloso, Gilsons, AnaVitoria, Illy, Zé Ibarra, Dora Morelenbaum, Maro (cantora portuguesa), entre outros de seus contemporâneos.

 

SOBRE JASPER E GANA

Jasper e Gana é uma banda de Rock Alternativo  que surge a partir da narrativa de Jasper Okan  junto a “gana” pela mudança sonorizada pelas  mãos de Bruno Ferranti na guitarra, Léo Barboza  na bateria, Ramone no baixo e Nayra Jaine na  percussão. As composições pela visão de um  corpo negro e não binário conversam sobre a  jornada pelo afeto, auto-conhecimento e identidade. A banda teve sua origem em 2019 no  cenário de música independente de Itatiba, interior de São Paulo, onde os caminhos dos músicos  convergiram ao longo da busca pelo  reconhecimento da música autoral na região  interiorana, realizando diversos shows por Itatiba, Campinas, Jundiaí, Louveira, Morungaba e São  Paulo, logo em seu primeiro ano de formação,  unindo força às demais manifestações culturais da região após anos de reencontros e reinvenções, a  banda se concretizou com um objetivo maduro, apoiados na “Gana” de construir um projeto que rompa barreiras locais, alcance vivências  semelhantes pela identificação e que também realize trocas de aprendizado com vivências distintas.

 

SOBRE BELLA MATTAR

Bella Mattar é uma artista capixaba de 20 anos, cantora e compositora. Com 14 anos, já estava gravando suas primeiras interpretações de voz e violão, de forma amadora, para publicar na internet. A capixaba se encantou com todas as nuances que a arte poderia proporcionar e se dedicou à aulas de dança, trabalhou com festas infantis interpretando personagens animados, atuou em teatros e musicais na igreja, cantou em corais, e decidiu que seria tudo que a arte lhe permitisse. Seus covers nas redes sociais lhe trouxeram pessoas que se apaixonaram por seu trabalho, principalmente por seu jeito particular de interpretação, e hoje, o seu canal do Youtube soma quase 2 milhões de visualizações e 50 mil inscritos. Sua carreira autoral começou em 2019, quando lançou seu primeiro EP “Do quarto pra rua” com quatro faixas e esse ano, 2021, ela lançará um álbum chamado “A rua e seus encantos”.

 

SOBRE LUIZA DUTRA

Luiza Dutra, cantora e compositora capixaba, pretende mostrar as reverberações que sua participação no Workshop Luz Del Fuego (2019) gerou em forma de música, além de compartilhar algumas de suas inspirações musicais através de versões de músicas importantes na trajetória da artista. Para isso, convida a cantora e violinista Dora Dalvi, que possui vasta experiência na cena musical capixaba, para acompanhá-la em sua proposta intimista voz e violão.

SOBRE LUISA BOÊ

Cantora e compositora capixaba, Luíza Boê (28) tem um claro propósito enquanto artista: fazer músicas que, além de entreter, trazem consciênc:ia, conforto e pertencimento para seu público. Suas composições são auto-medicina poética para seus processos pessoais e abordam diferentes temas – para Luíza, compor é uma jornada de cura, é sobre transformar dor em dom. Em 2017, participou da 2ª temporada do programa Lounge, no Canal BIS. Em 2018, lançou seu primeiro disco autoral, produzido por Hugo Noguchi, e despontou como um dos expoentes da nova MPB. Boê acaba de lançar seu novo EP “Terramar”, com produção de Kassin e participação de alguns dos maiores instrumentistas do país. Ambos os lançamentos receberam destaque nas plataformas digitais, fazendo com que a artista fosse duas vezes capa da playlist “Novo Som”, do Spotify, e “Cocoon” esteve entre “As 50 mais virais”. A música “Mãe” tem sido usada por diversos psicólogos e terapeutas em seus trabalhos, por todo o país. Nasceu em Lajinha/MG e cresceu em Vitória/ES, onde começou seu caminho artístico ainda na infância – iniciou os estudos de dança aos 5 anos, de teclado aos 8, de canto popular aos 15 e de violão aos 17, quando nasceram suas primeiras composições.

Deixe seu comentário: